Buscar
  • Pitacos

“Angu de grilo": o jornalismo entre gerações

Atualizado: 29 de out. de 2020

Juliana Castro


Duas jornalistas conversando sobre os mais variados assuntos, assim é produzido o podcast Angu de Grilo. Publicado toda terça-feira, o projeto já completou um ano e aborda notícias da semana, opiniões pessoais, gostos e o relacionamento entre mãe e filha. Apresentado por Flávia Oliveira e Isabela Reis, os conteúdos fogem do óbvio dos canais informativos e trazem um tom de intimidade que acaba aproximando os ouvintes.

(Print da capa do podcast)


Uma história familiar, baseada na relação intensa com o rádio, ultrapassou gerações e fez com que a ideia do podcast nascesse. No primeiro episódio, as apresentadoras contaram essa ligação com o passado e como surgiu esse nome tão particular. Graças a mãe da Flávia, dona Ana Lúcia Oliveira, que dizia frequentemente essa expressão ao se referir a bagunça, encontraram um termo guarda chuva que engloba de tudo um pouco. Para além do jornalismo, o Angu de Grilo carrega esse legado de identidade das Oliveiras. Com um jeito único, essas duas mulheres entregam um programa recheado de conhecimento, referências e sensibilidade.

No 57° episódio, o primeiro assunto discutido foi a nota técnica emitida pelo Ministério da Agricultura sobre o Guia Alimentar para a população brasileira, o qual é responsável por direcionar os cardápios de repartições públicas. Isabela explicou em que consiste o ataque, direcionado principalmente a seção que desaconselha os alimentos ultraprocessados. Por ser um documento criado pelo Ministério da Saúde, visa promover uma alimentação balanceada e saudável. Além disso, outros temas como sustentabilidade, agricultura familiar, efeito estufa e mudanças climáticas também são levados em consideração pelo Guia. Motivo pelo qual é tão aclamado por organizações internacionais, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), a ONU (Organização das Nações Unidas) e o UNICEF, disse Isabela. Flávia acrescentou que o Ministério da Agricultura demonstra, com essa atitude, apoio às indústrias e aos setores do agronegócio.

Sobre os efeitos dessa medida, a apresentadora levantou dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a respeito do crescimento da fome no país e como a insegurança alimentar aumenta o consumo de ultraprocessados. Assim, alimentos saudáveis, porém, mais caros, são trocados por outros mais baratos e não tão nutritivos, o que reduz a variedade da dieta. Na sequência, Isabela apresentou o conceito de nutricídio, inventado pelo professor Llaila Afrika, isto é, o genocídio alimentar, estimulado pela industria, que atinge pessoas não brancas e pobres. Como consequências, tem-se o apagamento de culturas regionais, de hábitos alimentares locais e o adoecimento da população.

No segundo bloco, a pauta foi sobre o processo seletivo de trainee exclusivo para candidatos negros, ofertado pela Magazine Luiza, e que gerou indignações nas redes sociais. Flávia abordou a ausência de pessoas negras na estrutura corporativa, em cargos de liderança, e o nível de exclusão que esse grupo enfrenta, estando apenas presente em cargos subalternizados. Como resposta às reações negativas da internet, a jornalista apontou a constitucionalidade dessas ações afirmativas, em que o único objetivo é promover e construir a igualdade. Isabela complementou, afirmando a importância do posicionamento aberto da empresa sobre questões raciais.

Ao final do episódio, as podcasters fizeram algumas indicações, entre elas, o podcast Praia dos Ossos, da rádio Novelo, sobre violência contra mulher e a cobertura midiática; a série I May Destroyed You, da HBO, que trata de temas violentos (e por isso o alerta de gatilho); a série Criando Dion, da Netflix, sobre afrofuturismo, referência e ancestralidade; e por fim, o livro Candomblé em Tempos de Crise, do babalorixá Márcio de Jagun.

Em um cenário onde os veículos de comunicação buscam, cada vez mais, a objetividade, uma linguagem neutra, sem o teor crítico necessário, ter um programa no ar como o Angu de Grilo é fundamental. Para aqueles que estudam jornalismo, em especial, esse podcast evidencia que não se deve ter medo de questionar, argumentar e demonstrar suas opiniões.

Baixe o aplicativo da Orelo para escutar o podcast: https://app.orelo.audio/c1Uu

59 visualizações0 comentário